Início História Uvas mais Conhecidas
Uvas mais Conhecidas Imprimir E-mail


A uva própria para a produção de vinhos é a da espécie Vitis Vinifera, que tem origem na região do Mar Mediterrâneo. Esta espécie vem sendo cultivada há milênios por várias civilizações, o que ampliou a sua área de cultivo e possibilitou desenvolver vários tipos desta uva, também chamada de casta ou cepa. Hoje temos um incontável número de diferentes tipos da Vitis Vinifera.

 

Aqui vamos apresentar as principais uvas de cada região ou país produtor, divididas em uvas tintas (que, em alguns casos, também produzem vinhos rosés ou brancos) e uvas brancas. Curiosamente, existem também algumas uvas que produzem somente vinhos rosés.


 

Uvas Tintas


Cabernet Sauvignon: A Rainha das uvas tintas é originária da região de Bordeaux, França. Fruto do cruzamento entre Cabernet Franc e Sauvignon Blac, é a uva mais difundida no mundo, presente nas principais regiões produtoras de vinho.  Independente da região onde é cultivada, esta uva apresenta consistentemente estrutura e sabores que expressam sua tipicidade (características de textura e aromas apresentadas mais a seguir), devido ao seu alto teor de fenóis, como os taninos e o resveratrol (anti-oxidante).

É a principal casta dos vinhos da margem esquerda do rio Gironde em Bordeaux, onde se encontram as regiões demarcadas de Médoc, Margaux, Pauillac, entre outras.

O vinho produzido com a Cabernet Sauvignon geralmente tem sabores de cassis e tabaco. Na boca, tem boa acidez, com taninos potentes e álcool equilibrado. Dela podem originar vinhos de altíssima qualidade nos quais a profundidade e amplitude dos aromas se multiplicam, dependendo do método de fabricação. O vinho Cabernet Sauvignon pode envelhecer por muitos anos.


Merlot: De origem muito recente, esta é a uva mais cultivada em Bordeuax, onde foi mencionada pela primeira vez em 1784; seu nome provém de um pássaro chamado Merle. Na Itália (na região do Vêneto) é conhecida como Bordò desde 1855.

A Merlot é a principal uva dos vinhos da margem direita do rio Gironde em Bordeaux e produz alguns dos mais famosos do mundo, como Petrus e Chateau Cheval Blanc, das sub-regiões de Pomerol e Saint Emilion.

Cultivada nas principais regiões viníferas do mundo, esta cepa produz vinhos muito aveludados, sedosos com taninos macios, acidez equilibrada, aromáticos com presença de frutas negras e especiarias.


Syrah: Principal cepa da região norte do Vale do Ródano (Rhone), local de sua origem, é cultivada em várias regiões viníferas do mundo, conhecida como Shiraz na Austrália e Nova Zelândia. Nos últimos anos vem ganhando popularidade entre os amantes do vinho.

A Syrah ganhou fama mundial por causa dos vinhos da região Hermitage (Rhone), que produz excelentes vinhos potentes, concentrados e saborosos. Além de Hermitage, a Syrah produz vinhos monovarietais (de uma mesma casta de uva) nas regiões de Crozes-Hermitage, Cornas e Côte-Rôtie. Também é usada em blends (misturas de uvas diferentes) nas regiões de Châteauneuf-du-Pape, Gigondas e Côtes du Rhône.

Os vinhos desta casta podem ser de simples e suaves a complexos e encorpados. Geralmente apresentam aromas de frutas silvestres, chocolate, café, alcaçuz, especiarias e pimenta-do-reino.

 

Uvas Brancas


Chardonnay: Originária da Borgonha, França, a Chardonnay é conhecida como a rainha das uvas brancas, pois é muito versátil, produz vinhos secos, doces (colheita tardia) ou espumantes, que expressam, tanto o perfil do viticultor, como as características do terroir. Esta uva é largamente produzida na maioria das regiões viníferas do mundo por sua relativa facilidade de cultivo e aptidão em adaptar-se a diferentes condições.

Os vinhos da Chardonnay podem ser leves, ligeiros e frescos, como também ricos e untuosos e são adequados para envelhecer na garrafa. Podem ainda apresentar cores que variam de palha muito pálida a amarelo quase dourado, com reflexos esverdeados. Os vinhos mais jovens apresentam aroma de maçã verde e os mais maduros alcançam uma notável acidez com aromas de limão, grapefruit, pera, acácia, manga, abacaxi, melão e também um pouco de tempero ou caramelo. Quando envelhecido, aparecem notas de baunilha, mel e manteiga.

É a cepa de grandes vinhos no mundo como os da região de Chablis, Cotê de Beaune (ao sul da Borgonha) e Champagne. Alguns exemplares são envelhecidos em barris de madeira, mais frequentemente no novo mundo, como Austrália, Chile, Estados Unidos e Argentina. Alguns desses vinhos podem envelhecer por mais de 15 anos.

 

Sauvignon Blanc: Provavelmente, seu nome tem origem na contração de sauvage (selvagem) e vignon (vinhedo). Esta cepa tem origem em Bordeaux, França, onde se produz vinhos junto com a Sémillion, Muscadelle e Ugni Blanc. Participa no corte dos vinhos de Sauternes, junto com a Semillion, com a parte de 5 a 50%. No famoso Château d´Yquem participa com 20%. Tem grande expressão nos vinhos do Vale do Loire, nas regiões de Pouilly Fume e Sancerre.

Sauvignon Blanc é cultivada em muitas regiões do mundo, produzindo um vinho ácido, de corpo leve, seco e resfrecante. Dependendo das condições climáticas, produz vinhos com aromas de grama cortada, frutas tropicais e aspargos. Geralmente tem cor amarelo-esverdeado, tem personalidade na boca comprovando os aromas.

Na Nova Zelândia, adaptou-se muito bem, principalmente com as condições de clima marítimo de Marlborough, com solo arenoso e camadas de ardósia.  Ainda produz ótimos exemplares na Austrália, Chile e Estados Unidos.

 

Quer conhecer melhor estas uvas? Experimente estas sugestões selecionadas pela VinhoClic:


Cabernet Sauvignon:
Sottano_Cabernet_Sauvignon_Reserva_de_Familia
Sottano_Reserva_Cabernet_Sauvignon
Pequeñas_Bodegas_Cabernet_Sauvignon


Syrah
Anakena_Ona_Syrah


Sauvignon Blanc
Inurrieta_Orchidea

 

 
 

Atualidades